.textos recentes

. Com papas e bolos (2)...

. Ondas por água abaixo?

. Fotovoltaica comestivel

. Cegonhas na web

. Toyota Prius 2010

. Kepler: em busca de et's

. Moçambique: perpectivas d...

. As coisas que a gente des...

. Achado com muita energia

. Com papas e bolos...

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

A (des)propósito do (des)Acordo Ortográfico

Governo uruguaio torna obrigatório ensino do português

05/11/2007 - 09h41

Montevidéu, 5 nov (Lusa) - A língua portuguesa passará a ser disciplina obrigatória para os estudantes uruguaios do 6º ano a partir de 2008, anunciou o governo do Uruguai.

"Isso é muito importante para os jovens luso-descendentes que vivem no Uruguai, mas também para todos aqueles que queiram aprender a falar a língua portuguesa", afirmou à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Antônio Braga, que se encontra em visita oficial ao país até a próxima quarta-feira.

Até agora, o ensino do português como língua estrangeira nas escolas uruguaias tinha um caráter facultativo: os estudantes do ensino médio podiam optar por fazer a disciplina como matéria extracurricular.

As únicas exceções eram as escolas primárias situadas na fronteira com o Brasil, em que o português já era ensinado e onde se fazem estudos de pesquisa sobre os chamados "Dialetos Portugueses do Uruguai", conhecidos na gíria lingüística como o "portuñol".

Segundo a embaixadora de Portugal no Uruguai, Luísa Bastos de Almeida, por razões geográficas e sociológicas, na região fronteiriça existem inúmeras escolas primárias onde está implementado, desde 2003, o ensino bilíngüe em espanhol e português. As aulas são coordenadas por um programa nacional do Departamento de Educação Bilíngüe da Anep (Administração Nacional da Educação Pública), com claros delineamentos metodológicos e com o objetivo de formar cidadãos que dominem os dois idiomas.

Em algumas escolas do Uruguai, "crianças que falam a língua majoritária [espanhol] e aquelas que falam a língua portuguesa encontram-se integradas no mesmo grupo e ambos os idiomas são utilizados como veículo de instrução", afirmou a diplomata portuguesa.

A existência deste programa reconhece oficialmente que o português é a língua materna de muitas crianças que estudam nas escolas de fronteira com o Brasil e para as quais o espanhol funciona como uma língua secundária.

Mesmo no ensino público, os estudantes uruguaios podem freqüentar, de forma extracurricular, cursos de língua portuguesa promovidos pelos Centros de Línguas Estrangeiras espalhados pelas principais cidades do Uruguai.

As instituições privadas de ensino do português como língua estrangeira no Uruguai, reconhecidas por instituições educativas brasileiras, são o Instituto de Cultura Uruguaio-Brasileiro e o Club Brasil, ambas com sede em Montevidéu.

 

Também na Rebública da Guiné Equatorial a língua portuguesa passou a ter desde 2007 o estatuto de "língua oficial":

Guinea Ec.- Obiang convierte al portugués en tercer idioma oficial para entrar en la Comunidad lusófona de Naciones

MADRID, 13 Jul. 2007 (EUROPA PRESS) - (publicado por: asopgelibre)

El régimen de Teodoro Obiang Ngumema ha convertido al portugués en tercer idioma oficial de Guinea Ecuatorial con el propósito de que el país sea admitido en la Comunidad de Naciones de Lengua Portuguesa (CPLP), con las consiguientes ayudas económicas y sanitarias que le corresponderían en tal caso, según informó hoy la agencia misionera de noticias MISNA.

Hasta la fecha, los idiomas oficiales de Guinea Ecuatorial eran el castellano, por su pasado colonial español, y el francés, lengua vehicular de la mayoría de los países vecinos y en realidad poco conocida entre la población local ecuatoguineana. El 67,6 por ciento de la población del país habla castellano y el 32,4 por ciento utiliza idiomas autóctonos.

La adopción del portugués como lengua oficial en este país de más de medio millón de habitantes y actualmente ”observador asociado” de la CPLP, le permitiría entrar en esta Comunidad, para lo cual necesita la aprobación --que se presume fácil-- de sus seis Estados miembros: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guinea Bissau, Mozambique, Portugal, Sao Tomé e Principe y Timor Oriental).

De entrar en la CPLP, el Gobierno de Malabo tendría derecho a recibir profesores y formación profesional en lengua portuguesa, así como a enviar a sus propios estudiantes a los países lusófonos. Guinea Ecuatorial pretende también intensificar la colaboración con Cabo Verde en materia de salud, dada la larga experiencia de los habitantes de este archipiélago en la lucha contra las enfermedades tropicales.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 19:38
ligação do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds