.textos recentes

. Com papas e bolos (2)...

. Ondas por água abaixo?

. Fotovoltaica comestivel

. Cegonhas na web

. Toyota Prius 2010

. Kepler: em busca de et's

. Moçambique: perpectivas d...

. As coisas que a gente des...

. Achado com muita energia

. Com papas e bolos...

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Domingo, 27 de Abril de 2008

Mini-hídricas por água abaixo?

Mini-hídrica nem dá para o banco
Eduardo Pinto, JN, 2008.04.27

As chuvas deste mês de Abril poderão dar algum alento à Câmara de Vila Nova de Foz Côa. A culpa do desânimo é da mini-hídrica do Catapereiro, que por insuficiência de água não produz energia suficiente. Nem para pagar as prestações ao banco sobre o empréstimo que foi necessário contrair para fazer o investimento, quanto mais para dar lucro.
"Vai para um ano que pouco ou nada produz", lamenta-se o autarca socialista, Emílio Mesquita. Ou seja, "não chove, não gera energia". Entretanto, a Câmara tem de continuar a amortizar a dívida à banca, resultante da construção de um empreendimento que custou 15 milhões de euros.
Afinal, concede o edil, "a mini-hídrica até nem é má", apesar de considerar que a ribeira onde se construiu "era muito fraca". O problema é que o crédito tem de ser pago em dez anos e da maneira que os anos vão secos, dificilmente se consegue uma produção eléctrica capaz de amortizar por si só o investimento.
Emílio Mesquita acredita que o empreendimento poderia "beneficiar significativamente o concelho". Recorda que no primeiro mês de actividade o equipamento gerou cerca de 450 mil euros de energia, o que acabou por criar grandes expectativas. Mas não. Os anos têm vindo cada vez mais secos. "O orçamento do Município é muito prejudicado pela situação", nota o edil, pois a Câmara tem de manter os seus compromissos com a banca (1,5 milhão de euros/ano), apesar de não ter receitas pela venda da energia do Catapereiro. A solução poderá passar por renegociar os prazos para amortizar a dívida, de molde a que a factura anual não seja tão pesada. "Se fosse a vinte anos não haveria problema nenhum em cumprir", assegura, ao JN, Emílio Mesquita.

Números do empreendimento:
  • 15 milhões de euros foi quanto custou o a mini-hídrica do Catapereiro.
  • 10 anos é o prazo que a Câmara tem para pagar o empréstimo bancário contraído para avançar com o empreendimento.
  • 450 mil euros de energia deu a mini-hídrica no primeiro mês de actividade.
sinto-me:
publicado por ehgarde às 16:41
ligação do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds