.textos recentes

. Com papas e bolos (2)...

. Ondas por água abaixo?

. Fotovoltaica comestivel

. Cegonhas na web

. Toyota Prius 2010

. Kepler: em busca de et's

. Moçambique: perpectivas d...

. As coisas que a gente des...

. Achado com muita energia

. Com papas e bolos...

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Sábado, 5 de Julho de 2008

Afinal a coisa não é assim tão boa como a andavam a apregoar!

Entretanto quanta gente já facturou grossos subsídios da UE à custa dos biocombustíveis?

Ideia de redução do CO2 baseou-se em modelos incorrectos

Biocombustíveis estão a provocar aumento de gases com efeito de estufa

04.07.2008 - 18h53 Paulo Miguel Madeira

O biocombustível obtido do milho americano emite quase o dobro do CO2 dos combustíveis fósseis (In Público)

A produção de biocombustíveis a partir de terras agrícolas está afinal a contribuir para o aumento das emissões de dióxido de carbono para a atmosfera. O aumento da concentração deste gás contribui para o efeito de estufa que tem levado à subida da temperatura do planeta e à iminência de alterações climáticas e da subida do nível do mar. A ideia dominante tem sido oposta, mas um estudo publicado em Fevereiro na revista “Sicence” vem dizer que os métodos de contabilização das emissões utilizados eram parcelares.
Esta relação pode ser agora vista como surpreendente, pois a ideia contrária tem sido muito difundida, inicialmente inclusive por movimentos ambientalistas, e com as tecnologias actuais, durante a queima de biocombustíveis pelos automóveis, a emissão directa de dióxido de carbono é semelhante à da gasolina. Mas no conjunto do processo – agravado pelas alterações induzidas no uso dos solos, que contribuem também para uma maior desflorestação do planeta – o saldo acaba por ser muito mais pesado para os biocombustíveis obtidos por via agrícola (ou agrocombustíveis), a grande maioria dos actualmente utilizados.
A ideia é defendida e explicada por Timothy Searchinger, investigador na Universidade de Princeton, nos EUA, e o principal autor do artigo referido, que no início de Junho apresentou uma comunicação em Bruxelas durante a Semana Verde da Comissão Europeia, onde o PÚBLICO esteve. Searchinger argumenta que a maioria dos estudos anteriores contabilizou erradamente o carbono armazenado nas plantas durante o seu crescimento como contribuindo para a redução do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, e que isso só por si foi decisivo para permitir a conclusão de que as emissões resultantes da utilização de biocombustíveis seriam inferiores às do uso de combustíveis fósseis.
Mas Searchinger argumenta que não faz sentido contabilizar assim as emissões de CO2. Segundo explicou, em regra a terra utilizada para as culturas que dão origem aos biocombustíveis estava antes ocupada com vegetação, como florestas, matos, pastagens ou outras culturas, que também tinha carbono sequestrado.
Isto além de outros aspectos negativos dos biocombustíveis: “São acusados por uma grande variedade de estudos de serem um importante contributo para a situação da fome no mundo”, bem como “uma importante razão” do aumento dos preços da alimentação, pelo que recomenda que a produção se concentre “em biocombustíveis que não usem terra produtiva”, disse na altura.

Alteração do uso do solo agrava problema

Mas o cenário agrava-se quando se considera também o CO2 libertado com a alteração de uso do solo devido à plantação de milho, passando as emissões resultantes a ser 93 % superiores às da gasolina – 177 g de emissões de gases com efeito de estufa por MJ (mega joule), face a 92 g no caso da gasolina (um megajoule dá para percorrer meio quilómetro com bioetanol e 400 m com gasolina, segundo investigadores portugueses).
Na sua comunicação em Bruxelas, Searchinger notou que, quando se converte floresta ou pastagens, é libertado parte do carbono armazenado na vegetação e no solo, ao ser arado. E perde-se também a sequestração da vegetação que foi convertida, bem como a das terras de colheitas que reverteriam para florestas ou pastagens se não houvesse procura de biocombustívies.
De acordo com os cálculos apresentados, o etanol produzido nos EUA a partir de milho, em vez de permitir uma redução de 20 por cento das emissões de CO2 (como tem sido divulgado), quase que as duplica durante 30 anos e aumenta os gases com efeito de estufa durante 167 anos por induzir a conversão de terreno com florestas em terreno para agricultura (ver infografia).
Searchinger reconhece que os biocombuíveis podem justificar descontar das suas emissões parte do carbono existente na matéria-prima, se as plantas que crescerem para esse fim sequestrarem mais carbono do que o que se perdeu das anteriores. No entanto, não é isso que acontece nos casos que estudou.

Cana-de-açúcar merece estudo

O problema não se põe, pelo menos com esta dimensão, em todos os biocombustíveis. O etanol produzido a partir da cana-de-açúcar no Brasil tem uma eficiência muito superior à dos exemplos referidos, estimando-se uma redução de 85 % das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) face às da gasolina, sem contabilizar os efeitos de mudança de uso da terra.
No estudo de Searchinger diz-se que se ela implicar apenas a conversão de pastagens tropicais pode compensar essas emissões em quatro anos. Mas, se implicar a conversão de floresta tropical, o período de compensação pode subir para 45 anos. No entanto diz-se também que “a extraordinária produtividade da cana-de-açúcar brasileira merece mais análise especial no futuro” – opinião que é partilhada pelo presidente da Liga para a Protecção da Natureza, Eugénio Sequeira.
A questão da conversão de terra é fulcral porque, por exemplo, no Brasil a agricultura está a expandir-se para a Amazónia devido ao aumento global da procura de terra agrícola, induzido também pelos biocombustíveis, segundo uma reportagem da revista norte-americana “Time”, onde o assunto foi tema de capa no final de Março.
No artigo da “Time”, sob o título “O Mito da Energia Limpa”, diz-se que o etanol produzido a partir de milho, “sempre ambientalmente suspeito, revelou-se ambientalmente desastroso” e que actualmente “a desflorestação é responsável por 20 % das emissões totais de carbono”.

 

sinto-me:
publicado por ehgarde às 23:58
ligação do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds