.textos recentes

. Ondas por água abaixo?

. Fotovoltaica comestivel

. Muito quente!

. Ainda a propósito dos bio...

. Onde há fumo...

. Biocombustíveis pelo ar

. Às aranhas...

. E somos nós o país mais s...

. Antes que seja tarde...

. Haja energia!!!

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

Aleluia, aleluia!

Chegou a coragem e o bom-senso ao Conselho Científico para o Ambiente da União Europeia!

Biocombustíveis: Conselho científico defende suspensão da meta dos dez por cento

10.04.2008 - PÚBLICO

Com base em novos estudos, o conselho científico da Agência Europeia para o Ambiente defendeu hoje que a União Europeia deve suspender a meta dos dez por cento dos biocombustíveis utilizados nos transportes, até 2020.

Este conselho, composto por 20 cientistas independentes de 15 Estados membros, considera que a meta dos dez por cento é demasiado ambiciosa e terá efeitos “difíceis de prever e de controlar”. Por isso aconselha a sua suspensão e a realização de um novo estudo sobre os riscos e benefícios dos biocombustíveis, bem como a “definição de uma meta mais moderada e a longo prazo, se a sustentabilidade não puder ser garantida”.

Segundo os investigadores, a produção de biocombustíveis com tecnologias de primeira geração ainda liberta gases com efeito de estufa em quantidades significativas, segundo um comunicado divulgado hoje.

“A utilização da biomassa implica a combustão de recursos muito valiosos e finitos”, escrevem os cientistas. “Estes recursos devem ser preservados sempre que possível. Por isso, a utilização da biomassa deve, necessariamente, andar a par e passo com as melhorias na eficiência energética. O que não é o caso para a maioria das aplicações nos sectores automóvel e residencial”.

Segundo a Agência Europeia para o Ambiente, “o solo arável necessário para a União Europeia conseguir cumprir a meta dos dez por cento excede a área disponível”. A consequência da intensificação da produção de biocombustíveis é o “aumento das pressões no solo, água e biodiversidade”.

Além de tudo isto, cumprir os dez por cento implica a importação de biocombustíveis. “A destruição acelerada das florestas tropicais devido ao aumento da produção de biocombustíveis já está a acontecer em alguns países em desenvolvimento. A produção sustentável fora da Europa é difícil de conseguir e de monitorizar”.

Actualmente, o transporte rodoviário é responsável por mais de 90 % das emissões de todo o sector dos transportes. Até ao momento, as políticas e medidas aplicadas têm sido insuficientes para travar este aumento.

É óbvio e evidente que, depois, este mesmo Conselho irá "aconselhar" o uso do inóquo (?!) e maravilhoso hidrogénio, o salvador da Humanidade no futuro.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 14:17
ligação do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Carros HHH

Já tinhamos automóveis e autocarros a gás propano, a gás natural... agora também a gás comprimido:

Poucas semanas depois da Tata ter anunciado a produção em série daquele que será o veículo automóvel mais barato do mundo, eis que o construtor indiano nos volta a surpreender, desta feita com uma inédita "energia" alternativa para a locomoção rodoviária.

O princípio não é novo, antes pelo contrário. O vapor esteve na génese de uma nova era, que ficou conhecida como a revolução industrial do século XVIII. Na altura, gerava-se pressão aquecendo água até à sua ebulição, obtendo vapor a alta pressão que assim actuava os mais diversos mecanismos, sendo por exemplo, o comboio a vapor um dos mais notáveis, que chegou inclusivamente aos dias de hoje.

Como do velho se faz novo, a Tata recupera o conceito de um gás sob pressão actuar êmbolos, que devidamente ligados às rodas motrizes, produzem movimento. Claro está que a caldeira que equipava os automóveis "a vapor" dos finais do século XIX perdeu-se nas brumas da memória, mas ficou a ideia. O vapor sai de cena, por troca com o ar sob pressão, que no fundo terá o mesmo resultado prático.

Guardado em dois reservatórios de fibra de carbono, os quais serão muito provavelmente os componentes mais caros deste modelo, este ar é guardado sob enorme pressão, para que possa "atacar" directamente o motor. Este deverá ser extremamente simples, pois no fundo a sua missão é acolher 4 êmbolos (ou pistões como num tradicional automóvel a combustíveis convencionais), que serão "empurrados" pela enorme força de ar comprimido a 300 bar. Como ponto de comparação, podemos mencionar que um pneu encontra-se normalmente com 2 a 2,5 bar de pressão interior, pelo que será fácil imaginar o poder contido nesta massa de ar.

Depois de expandir dentro do bloco do motor, o ar comprimido já efectuou a sua missão, transferindo toda a sua energia e descendo significativamente a sua temperatura, sendo então expelido pelo sistema de escape. Se os complexos "fuel-cells" rejeitarão vapor de água, este Tata apenas devolve o ar à atmostera, curiosamente mais frio pelo que, passe a expressão, contrarierá duplamente o efeito de aquecimento global! E diga-se em abono da verdade que 110 km/h e 200 km de autonomia chega perfeitamente para uma utilização diária urbana. Entre outras tecnologias interessantes, o Tata terá um sistema de travagem regenerativo, transforma movimento em energia eléctrica. Esta será utilizada em diversos equipamentos, mas sobretudo pelo sistema de bombas eléctricas que repõe a autonomia em 3 horas e meia a custo zero se os governos não se lembrarem taxar o ar que nos rodeia (!) ou então com uma recarga de alta pressão que demorará apenas 2 minutos. E tudo isto por 4000 euros... é muito tentador!

(In AutoSport on-line)

Obrigado, Flávia!

sinto-me:
publicado por ehgarde às 19:27
ligação do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds