.textos recentes

. TV Energia

. Energia celestial

. Cada vez mais do mesmo

. País de marinheiros?

. Transistor de papel

. O nuclear volta ao ataque...

. Nuclear volta ao ataque!

. O Parlamento Global e o T...

. Vencedor!

. Dias difíceis e quentes s...

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008

TV Energia

Mudança de comportamentos no uso doméstico
10.11.2008 - 15h00 Lusa

A primeira televisão portuguesa online dedicada a promover a mudança de comportamentos no consumo doméstico de energia foi hoje apresentada oficialmente.
"O objectivo principal da TV Energia é promover a mudança de comportamentos e a utilização racional da energia, que é um recurso finito", referiu Vasco Ferreira um dos coordenadores do projecto à margem da apresentação do canal, que decorreu hoje em Lisboa. 
A "falta de informação" foi uma das razões que levou a equipa coordenada por Vasco Ferreira a criar um canal online onde serão exibidos três programas principais. 
O "Inova Energia" é um magazine de informação que inclui rubricas como "estilo de vida eficiente", em que figuras públicas partilham práticas sustentáveis. 
No "Cinema ao Ar Livre", o canal disponibiliza documentários e curtas-metragens sobre energia e alterações climáticas. 
Já no "Eventos Energia" está garantida a cobertura de conferências e eventos sobre sustentabilidade energética. 
O projecto é financiado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), através do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC)
Ao abrigo do PPEC 2008, a TV Energia recebeu um financiamento 313 mil euros. 
A TV Energia estará "no ar" até 31 de Dezembro de 2009, mas a ideia da equipa é "continuar o projecto" e para tal já estão a "estudar alternativas de financiamento". 
O PPEC teve início em 2007, tendo nesse ano sido gastos dez milhões de euros no programa, que geraram benefícios estimados em cerca de 52 milhões e uma poupança energética equivalente aos gastos de 195 mil famílias, de acordo com o presidente do conselho de Administração da ERSE, Vítor Santos, presente na apresentação.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 15:31
ligação do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Agosto de 2008

Energia celestial

Energia

Santuário do Gerês utiliza painéis solares para aquecer peregrinos

08.08.2008 - 16h36 Lusa

http://bp2.blogger.com/_zqzuArr7zEs/RvcCR26OVII/AAAAAAAADHg/qjEcLFInOYo/s1600-h/Geres+045.jpgNo Santuário de S. Bento da Porta Aberta, na serra do Gerês, a enfermaria dos peregrinos e a casa pastoral já são totalmente alimentados com energia solar", disse hoje fonte da Irmandade que gere o espaço religioso.

A instalação de doze painéis solares térmicos custou à Irmandade do Santuário de S. Bento da Porta Aberta 24 mil euros, disse Fernando Monteiro, Juíz da Irmandade de S. Bento da Porta Aberta.

"É um investimento que diminuirá em 50 por cento a despesa anual do consumo energético", referiu Abílio Vilaça, tesoureiro da irmandade.

Para além da energia necessária para o funcionamento da enfermaria e da casa pastoral, os painéis vão ainda garantir os processos de climatização e águas sanitárias.

"Pela enfermaria, passaram em 2007, mais de 4500 peregrinos", daí a escolha da estrutura para receber os primeiros painéis solares. "Este sistema permite-nos prestar um melhor serviço aos peregrinos que precisam de banhos e água quente a todo o momento pois estão sujeitos a quedas e entorses durante a peregrinação até ao santuário", sublinhou Fernando Monteiro.

A peregrinação anual de S. Bento da Porta Aberta, em Terras do Bouro no Gerês, inicia-se no dia 10 de Agosto.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 18:59
ligação do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

Cada vez mais do mesmo

Não deixa de ser curioso (e triste) o facto de ser cada vez mais do mesmo: a não ser uma tímida hipótese de "extensão das linhas do metro" (para quando? 10 anos?) não há qualquer referência à tracção eléctrica urbana (não esquecer que Porto e Lisboa tiveram enormes redes de carros eléctricos, a primeira resumida a mera exploração turística e a segunda agora com o estatuto de "espécie fortemente ameaçada de extinção" - só gás e diesel.

Além de agravamentos e proibições.

Ambiente

Medidas para melhorar qualidade do ar devem estar escolhidas até meados de 2009

07.08.2008 - 14h36 Lusa

Portagens diferenciadas, aumento dos corredores BUS e a introdução de mais autocarros a gás natural são apenas das medidas possíveis para melhorar a qualidade do ar na Região de Lisboa e Vale do Tejo e Região Norte. O secretário de estado do Ambiente acredita que as medidas a aplicar devem estar escolhidas até meados de 2009.
"O objectivo essencial é defender a saúde de todos nós.

Temos problemas graves de qualidade do ar no Grande Porto e na Grande Lisboa. Houve estudos feitos para as duas áreas que elencaram medidas possíveis. As entidades responsáveis por aquelas várias medidas têm que decidir quais querem adoptar", comentou hoje o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa.

Com a coordenação das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, as câmaras municipais, transportadoras e concessionários de auto-estradas ou pontes vão seleccionar que medidas consideram mais eficazes para que seja aprovado um Programa de Execução concreto, especificou Humberto Rosa.

No caso da introdução de portagens diferentes consoante a ocupação dos veículos, Humberto Rosa explicou que essa medida teria de ser avaliada por diferentes entidades. No cenário de esta medida ser pensada, por exemplo, para a Ponte 25 de Abril, o assunto teria de ser debatido entre o Ministério das Obras Públicas, as câmaras de Almada e Lisboa e o concessionário da ponte.

Humberto Rosa escusou-se a elencar quais as medidas mais prioritárias, embora considere que a grande maioria delas é "muito eficiente".

"Não há uma pré-decisão daquelas medidas que o Governo entenda que devem ser aplicadas, mas vejo como provável que as entidades competentes as possam vir a adoptar".

Ana Paula Vitorino diz que portagens urbanas são possíveis mas não prioritárias

A secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, assegurou hoje que a introdução de portagens diferenciadas e urbanas em Lisboa é uma medida possível, mas não é prioritária e só será utilizada em último caso.

"É possível, é uma medida que vem em qualquer manual de mobilidade sustentável. Já foi aplicada em algumas cidades, como em Londres, mas estamos numa fase em que muitas medidas existem ainda antes de ter que chegar a essa. Será só numa situação limite", afirmou.

Ana Paula Vitorino falava em conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros, após questionada pelos jornalistas sobre uma portaria que determina a execução de medidas previstas num estudo sobre a qualidade do ar na região de Lisboa e Vale do Tejo.

A secretária de Estado disse que a introdução de portagens urbanas e diferenciadas "é o limite da actuação quando tudo o resto já falhou".

Ana Paula Vitorino referiu que os valores limite da poluição do ar foram ultrapassados na região de Lisboa e Vale do Tejo, em particular a norte, e que a principal razão foi "o excesso de utilização de viaturas particulares".

"Há outras medidas em curso para melhorar o problema, como a extensão das linhas do metro, e outras que ainda não estão em curso mas já foi dada a orientação para que se concretizem, como o aumento dos corredores BUS e a introdução de mais autocarros a gás natural", afirmou.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 17:47
ligação do post | comentar | favorito
|
Sábado, 26 de Julho de 2008

País de marinheiros?

Ou de "cabeças no ar"? Não há fome que não dê em fartura...

Aeronáutica

Construtora de aviões Embraer investe 400 milhões de euros na construção de duas fábricas em Évora

26.07.2008 - 09h40 Lusa

A empresa brasileira de aeronáutica Embraer, um dos maiores construtores mundiais de aviões, vai investir cerca de 400 milhões de euros em duas fábricas na cidade de Évora, revelou à Lusa fonte ligada ao processo.

O investimento da empresa brasileira em Portugal está previsto num acordo Ogma/Embraer, que vai ser celebrado hoje numa cerimónia, no Centro Cultural de Belém, em que estarão presentes o Presidente do Brasil, Lula da Silva, e o primeiro-ministro português, José Sócrates.

A fonte contactada pela Lusa adiantou que o projecto, considerado de interesse estratégico nacional, vai receber incentivos do Estado português, tendo em conta a localização no interior do país.

As duas unidades fabris de componentes estruturais de aviões vão ser construídas na área do aeródromo da cidade alentejana.

O investimento prevê a criação de cerca de 500 postos de trabalho directos e mais de mil indirectos, avançou a mesma fonte.

A brasileira Embraer é uma das maiores empresas aeroespaciais do mundo, que já produziu cerca de cinco mil aviões, que operam em 76 países dos cinco continentes.

Para a cidade alentejana, está também previsto um outro projecto para a construção de aviões, o Skylander, promovido pelo grupo francês GECI Internacional.

O projecto do Skylander, da responsabilidade da Sky Aircraft Industries, criada pela GECI em parceria com investidores portugueses, envolve um investimento de mais de 100 milhões de euros, incluindo a construção de uma fábrica também na zona do aeródromo municipal de Évora.

A Sky Aircraft Industries prevê produzir 1100 aviões, entre 2011 e 2027, estando o voo do primeiro protótipo previsto para finais de 2009.
O projecto, que já reúne mais de 400 promessas de compra, muitas delas para o Dubai, prevê criar 3000 postos de trabalho, 900 directos e os restantes indirectos.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 11:32
ligação do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Transistor de papel

A comunidade tecnico-científica portuguesa tem mais um motivo para se orgulhar: a criação de um transistor de papel (literalmente falando).

E para aqueles que dizem que a notícia do Público sobre este assunto está cheia de "grosseiros erros científicos", aqui vai a mesma notícia conforme foi divulgada hoje pela 'newsletter' brasileira Inovação Tecnológica, esta por sua vez baseada no texto High Performance Flexible Hybrid Field Effect Transistors based on Cellulose Fiber-Paper, a ser publicado no IEEE Electron Device de Setembro 2008: 

Transístor de papel é construído por cientistas portugueses

Redação do Site Inovação Tecnológica - 22/07/2008

O termo papel eletrônico foi cunhado para descrever componentes eletrônicos que se tornaram finos e flexíveis, lembrando as propriedades físicas do papel. Mas agora uma equipe de cientistas da Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, inverteu os termos da equação e utilizou papel mesmo para criar transistores eletrônicos totalmente funcionais.

Transístor de papel é construído por cientistas portugueses
[Imagem: Cenimat]

Transístor de papel

Coordenados pelos professores Elvira Fortunato e Rodrigo Martins, os pesquisadores portugueses utilizaram uma folha de papel comum como camada dielétrica para construir um transístor de efeito de campo (FET - Field Effect Transistor).

O transístor com a camada intermediária de papel apresentou desempenho eletrônico comparável ao dos mais modernos transistores de filmes finos (TFT - Thin Film Transistors) que, em vez de papel, utilizam camadas isolantes de vidro ou silício cristalino.

Componentes eletrônicos de biopolímeros

Um transístor de papel não é uma mera curiosidade. Tem havido um interesse crescente entre pesquisadores do mundo todo na utilização de biopolímeros para baratear os custos dos componentes eletrônicos. E, como a celulose é o principal biopolímero encontrado na Terra, nada mais natural do que utilizá-la.

Outros grupos de pesquisadores já haviam relatado o uso de celulose como substrato - uma camada de suporte físico - na construção de componentes eletrônicos. Até agora, porém, ninguém havia conseguido utilizar o papel como "interestrato" - camada intermediário de isolamento - em um transístor.

Na verdade, os cientistas portugueses utilizaram o papel tanto como "interestrato" quanto como substrato, já que eles construíram os transistores dos dois lados da folha de papel. "É um dois em um," simplifica a Dra. Elvira.

Aplicações do transístor de papel

Segundo os pesquisadores, o desempenho eletrônico do transístor de papel supera o desempenho dos TFTs de silício amorfo e é comparável ao dos TFTs de silício cristalino.

A demonstração do funcionamento dos transistores de papel abre grandes perspectivas para o barateamento de aplicações como os próprios papéis eletrônicos - agora sim, feitos de papel mesmo, - além das etiquetas RFID e diversos tipos de bioaplicações, onde o circuito eletrônico poderá ser incorporado a dispositivos biomédicos.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 14:20
ligação do post | comentar | favorito
|

O nuclear volta ao ataque - 2

2.º round - o científico:

Carlos Varandas diz que abertura do debate sobre o nuclear é «extremamente oportuna»

:: 2008-07-16 - CiênciaHoje

Varandas diz que fusão nuclear demora décadas
Varandas diz que fusão nuclear demora décadas
A abertura do debate sobre o nuclear é "extremamente oportuna", mesmo tendo em conta apenas a fissão nuclear e não a fusão, um processo mais limpo e mais barato mas ainda a décadas de distância. A afirmação é de Carlos Varandas, presidente do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear (IPFN), associado ao projecto do Reactor Termonuclear Internacional Experimental (ITER) actualmente em construção em Cadarache, perto de Marselha (França).
O investigador justificou hoje a sua posição à agência Lusa com as repercussões dos aumentos do preço do petróleo no custo da energia e porque "está agora a ser lançada no mercado uma nova geração de reactores de fissão nuclear, chamados de 'Geração 3', bastante mais seguros do que os anteriores e muito mais eficientes e limpos".
Na sua perspectiva, a electricidade de base "só pode ser produzida de duas maneiras: ou através das centrais hidroeléctricas, em que o governo investe muito, ou por centrais térmicas a gás natural, um processo poluente, embora menos do que o petróleo, mas cujos custos sobem com os deste, ou através de centrais nucleares". "Em Portugal, se vamos esgotar a nossa capacidade hidroeléctrica, se não queremos poluir e estar dependentes do preço do gás natural, então só temos a opção nuclear", considerou.
"Estou convencido de que em Portugal, tal como no resto da Europa, é vital relançar o debate sobre o nuclear e tomar as medidas que permitam ao governo, mais cedo ou mais tarde, tomar uma decisão", afirmou.
No entanto, o reacender do debate nada tem a ver com a fusão nuclear, e nomeadamente o projecto ITER, "que está a percorrer o seu percurso normal", tendo em vista a sua entrada em operação entre 2018 e 2020, salientou.

Daqui a quatro ou cinco anos

Depois de concluído, espera-se que, num período de quatro a cinco anos, o ITER demonstre a viabilidade científica e técnica da energia de fusão, apontando-se o início da produção comercial de energia para dentro de 40 a 60 anos, dependendo da vontade política.
A construção daquele reactor experimental arrancou este ano, estando neste momento já instalados edifícios provisórios, onde trabalham cerca de 200 pessoas, e estão a ser feitas escavações para os blocos finais.
Sobre a participação de Portugal no projecto, o investigador referiu duas vertentes, uma a nível internacional, com a negociação do primeiro contrato para toda a Europa na área do controlo e da aquisição de dados, a concluir no final do mês, e outra europeia, com a presença de um português a trabalhar já com funções de responsável na Agência Europeia de Fusão Nuclear.
"Por outro lado, estamos a aguardar que sejam lançados os concursos para os contratos de investigação a realizar em Portugal para o ITER, onde esperamos que Portugal possa assinar dois ou três até ao final do ano", acrescentou.

Fusão mais segura

Interrogado sobre as principais diferenças entre a fissão e a fusão nuclear, Carlos Varandas disse que "a fusão é ainda mais segura do que a fissão e praticamente não produz lixos radioactivos". Outra diferença é que "os combustíveis usados, a água e o lítio, são muito abundantes na Terra, e muitos baratos, em particular a água".
Para o investigador, as vantagens da fusão nuclear face à fissão nuclear são óbvias, nomeadamente porque "os elementos utilizados na fissão só existem em reservas para 100 a 200 anos, enquanto os da fusão nuclear, extraíveis da água do mar, "são praticamente inesgotáveis". A fusão nuclear é também, de acordo com Carlos Varandas, cerca de 100 vezes mais poderosa que a reacção de fissão.
Segundo os peritos, um quilograma de combustível de fusão permitirá produzir uma energia equivalente a 10 milhões de litros de petróleo. "Quando a central estiver construída será mais barata, mais limpa, mais segura e mais amiga do ambiente", afirmou, resumindo o processo como “a reprodução na Terra da produção energética do universo, onde toda a energia é gerada por reacções de fusão". "A seguir, dependendo das decisões políticas, vai ser necessário construir uma máquina que transforme em electricidade a energia térmica de fusão produzida no ITER", afirmou. "Se os políticos decidirem avançar desde já com a construção dessa máquina, chamada Demo, em paralelo com o ITER, poderemos ter electricidade dentro de 40 anos, caso seja decidido construí-la só depois de se ter a certeza de que a fusão é uma realidade, serão necessários mais 20 anos", explicou.
O ITER é um projecto de mais de 12 mil milhões de euros que agrega sete parceiros (União Europeia, EUA, China, Índia Japão, Coreia do Sul e Rússia), sendo a participação portuguesa coordenada pelo Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear, um Laboratório Associado com sede no Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa.

 

sinto-me:
publicado por ehgarde às 12:02
ligação do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Julho de 2008

Nuclear volta ao ataque!

Boletim económico de Verão do Banco de Portugal

Vítor Constâncio defende inclusão do nuclear no debate sobre dependência energética

15.07.2008 - 19h40 - Por Lusa

Daniel Rocha

Vitor Constâncio diz que é preciso reduzir a dependência de energia

O governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, defendeu hoje a necessidade de estudar todas as hipóteses que permitam reduzir a dependência energética, incluindo a opção pela energia nuclear.
Vítor Constâncio, que falava na Assembleia da República durante a apresentação do Boletim Económico de Verão do banco central, sublinhou a importância de Portugal adoptar "uma política energética diferente" que permita fazer frente à "alteração estrutural dos preços da energia".
"A alteração estrutural dos preços da energia está para ficar e tudo tem de ser discutido, incluindo o nuclear", afirmou o governador do banco central, defendendo que "tudo tem de ser feito para evitar a dependência energética". De acordo com o boletim económico de Verão do Banco de Portugal, o crescimento económico deste ano para 1,2 por cento, uma diminuição de oito décimas em relação à previsão anunciada em Janeiro e que era de dois por cento.
Quanto aos preços, o Banco de Portugal acompanha a tendência actual e revê em alta a inflação (indicador harmonizado com a Zona Euro, IHPC) para três por cento, contra os 2,4 por cento de Janeiro. O agravamento dos preços dos produtos alimentares, dos transportes e da energia é uma realidade que se acentuou no final do primeiro trimestre e início do segundo e que está traduzida nas novas previsões do banco central.

Quercus acusa Constâncio de ingenuidade e desconhecimento ao relançar debate sobre o nuclear

16.07.2008 - 09h24 - Por Lusa, PÚBLICO

Paulo Ricca

A Quercus alega que uma central em Portugal teria uma dimensão que não conseguia ser suportada pela rede eléctrica nacional

A Quercus acusou hoje o governador do Banco de Portugal de "ingenuidade e desconhecimento" ao relançar o debate sobre o nuclear em Portugal, uma vez que os ambientalistas consideram esta opção errada também do ponto de vista financeiro. LPN alerta para risco de “debate inquinado”.
Em declarações no Parlamento, o governador Vítor Constâncio defendeu ontem que "a alteração estrutural dos preços da energia está para ficar e tudo tem de ser discutido, incluindo o nuclear".
Para os ambientalistas da Quercus, "se o problema do país é financeiro, então incluir o nuclear nas questões energéticas é um erro". "Um dos principais argumentos contra o nuclear é que é muito insustentável do ponto de vista de custos", declarou o dirigente ecologista Francisco Ferreira, apontando o exemplo das "enormes derrapagens" da central nuclear finlandesa.
A Quercus alega ainda que uma central em Portugal teria uma dimensão que não conseguia ser suportada pela rede eléctrica nacional, além dos tradicionais argumentos dos problemas do tratamento dos resíduos gerados pelo nuclear e da questão do risco. "O debate do nuclear foi feito nos últimos dois anos e extinguiu-se. Muito porque Portugal é o país da Europa onde a população acha que se deve apostar menos no nuclear", referiu Francisco Ferreira. "Só por ingenuidade sobre o sistema energético ou por desconhecimento das prioridades do ponto de vista de custo é que podem ter sido feitas as declarações do governador do Banco de Portugal", acrescentou.

LPN alerta para debate inquinado

Eugénio Sequeira, presidente da Liga para a Protecção da Natureza (LPN), diz que a questão da energia nuclear pode ser debatida, mas com informações claras e detalhadas e tendo em conta os custos e os impactos para o ambiente. “O debate é sempre útil, e não faz mal nenhum. Mas é preciso que o debate não esteja inquinado”, disse hoje à rádio TSF. “Temos de ver a valia de uma solução, qualquer que se faça, face aos custos totais, coisa que nunca se fez. Porque tem que se medir, quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista social, quer do ponto de vista ambiental, do berço à cova”, comentou.
O dirigente defende que se deve incluir no custo de produção de energia eléctrica o “custo da execução da central, o custo total do desfazer dos resíduos finais e quanto é que isso vale em termos de risco ambiental, e o risco para a saúde pública, na sua totalidade”.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 10:10
ligação do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

O Parlamento Global e o Tua

O Parlamento Global apresenta a linha do Tua que o Governo e a EDP querem afogar: aqui, aqui e aqui. Não perder, p.f.: grande parte das imagens são históricas; mas algumas ainda são actuais. Se nos mantivermos calados e quietos, dentro em breve todas passarão a ser históricas!

Troço Bragança - Mirandela da Linha do Tua em Maio de 1999. Foto Emídio Gardé 


Louçã critica barragem do Tua

2008-07-09 00:11:00 - Eduardo Pinto - JN 

O Bloco de Esquerda vai contestar a construção da barragem do Tua no próximo debate do estado da Nação, no Parlamento. Para preparar argumentos, o dirigente Francisco Louçã viajou terça-feira de metro, entre Foz-Tua (Carrazeda) e Mirandela.

O deputado concede que é necessário fazer algumas barragens no país, mas "por razões de sensatez" refuta o empreendimento hidroeléctrico do Tua. Primeiro "porque faz desaparecer a linha ferroviária do Tua". Considera-a uma "obra de arte", com 120 anos de existência, e com "elevada potencialidade turística". Depois, "porque afecta terrenos agrícolas".

Louçã realça que esta barragem representa "apenas 0,5 por cento do potencial hidroeléctrico do país" e está convencido que Portugal teria muito mais a ganhar "apostando na eficiência energética". Exemplificando: "Um euro investido para evitar perdas de energia ou para substituir as formas de iluminação corresponde a oito euros de poupança". Contas feitas, assume que "uma boa política energética tem essas prioridades e não passa por atropelar o património cultural e paisagístico", disse.

Francisco Louçã reconhece que a linha do Tua até pode nem ser rentável do ponto de vista comercial, no entanto, classifica-a como uma mais-valia turística que deve ser aproveitada para desenvolver a região. "A rentabilidade também se vê pelas pessoas que visitam, que comem, que ficam e que querem conhecer", frisa.

O dirigente do Bloco de Esquerda considera ainda uma boa ideia a extensão da linha do Tua desde Mirandela até Puebla de Sanábria, em Espanha, passando por Macedo de Cavaleiros e Bragança. No entanto, para que tal aconteça, "é preciso que a linha não seja encerrada no último troço".

 

(Ver as reportagens televisivas da RTP e da SIC)

sinto-me:
publicado por ehgarde às 09:24
ligação do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 8 de Julho de 2008

Vencedor!

Começar por aqui...

 

Concurso "Aqui há selo 2008"

07.07.2008 - 17h52 Nicolau Ferreira

Os CTT reservam-nos para 2009 um selo com a ilustração de uma molécula. Apesar do desenho parecer indecifrável, Nuno Micaêlo, o autor da criação e vencedor do concurso “Aqui Há Selo 2008”, teve razões de sobra para escolher a enzima CotA-lacase para promover à ciência portuguesa.
“Os selos são um meio privilegiado de difusão cultural devido à sua função pública e de temporalidade”, explicou o investigador ao PÚBLICO, numa entrevista feita por correio electrónico.
Quando soube que os CTT abriram um concurso para ser autor de um selo posto à venda em 2009, lançou-se no projecto. Na semana passada ficou a saber que era o vencedor.
O investigador está a fazer um pós-doutoramento em Aveiro, na Universidade onde tirou a licenciatura em Biologia. Trabalha na área da modelação molecular, onde estuda com a ajuda do computador a forma e a actuação das moléculas.
A CotA apareceu porque o grupo de investigação que veio integrar trabalha com a enzima. A CotA é produzida originalmente pela bactéria Bacillus subtilis, mas pode vir a ter várias aplicações.
“Esta enzima é capaz de degradar compostos chamados fenólicos que são altamente poluentes”, explica. A indústria de papel e do têxtil costumam produzir estes compostos.
Mas o potencial vai para além da bioremediação, ou decomposição de compostos resultantes dos processos industriais. A enzima pode ser aplicada na produção de biopolímeros, no tratamento de sumos de fruta, como bio-sensores e na produção de compostos a partir de uma fibra vegetal chamada lenhina, que podem vir a ter um valor elevado.
No selo vê-se várias bolas que representam átomos. Consoante a cor, temos átomos diferentes. O central, cor-de-laranja é um átomo de cobre e é este que permite à enzima funcionar.
O desenho da molécula foi feito digitalmente. O investigador tem tido contacto com a arte. Expôs obras no Centro Cultural de Belém e trabalha com o teatro Seiva Trupe do Porto, como consultor científico.
“Na ciência, o processo criativo está balizado pelos limites do conhecimento, pelas leis do mundo físico que conhecemos”, explica.
Para este cientista fazer arte é diferente. “Na arte a criatividade parece ser um processo mais emocional, tolerante ao erro e que não precisa de validação pelos seus pares.”
Em 2009, a CotA vai andar pelo país e pode entrar em nossa casa pela caixa do correio. Quem a receber, tem oportunidade de ver a ciência ser transformada em arte.

sinto-me:
publicado por ehgarde às 18:11
ligação do post | comentar | favorito
|

Dias difíceis e quentes se avizinham...

... nos próximos milhões de anos!!!

Novo ciclo geológico da Terra pode estar a começar junto à Península Ibérica

CiênciaHoje :: 2008-07-07

Vulcanismo apenas se manifestará dentro de milhões de anos

Vulcanismo apenas se manifestará dentro de milhões de anos

Os vulcões existentes em Portugal continental estão extintos mas o planeta pode estar a entrar num novo ciclo geológico, com uma zona de subducção a sudoeste da Península Ibérica, e a actividade vulcânica não está excluída. "Com base na distribuição dos sismos, há quem diga que podemos estar a entrar num novo ciclo geológico, que poderá ter como consequência o vulcanismo", afirmou o geólogo José Francisco à agência Lusa.
Na origem do processo estará um fenómeno de subducção, ou seja o mergulho de uma placa sob outra - no caso concreto, da placa oceânica sob a placa continental, em cujo extremo está Portugal - explicou o investigador da Universidade de Aveiro.

De uma forma genérica, o efeito pode ser visto aqui. O investigador alertou, todavia, que - a confirmar-se esta tese - "o vulcanismo apenas se manifestará dentro de milhões de anos", pois a própria subducção leva muito tempo a concretizar-se.
No continente, a actividade vulcânica mais recente tem já cerca de 70 milhões de anos e registou-se no Complexo Vulcânico de Lisboa, cujos 200 km2 se estendem da capital a Torres Vedras, passando por Cascais, Sintra ou Mafra (onde permanece uma chaminé vulcânica de basalto, o Penedo de Lexim).

-> (Continue a ler aqui)

sinto-me:
publicado por ehgarde às 08:23
ligação do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds